Mês de Julho

Aqui você tem uma mensagem bíblica de força e conforto espiritual para cada um dos 31 dias do mês de Julho. Lembre-se: é muito importante que você ore a Deus todos os dias e o busque de todo o teu coração. Não procure somente falar mas busque principalmente ouvir o que Deus quer te dizer através da Bíblia Sagrada.

Nesta página em que está, estão postadas somente as mensagens referentes ao mês de Julho. As demais mensagens podem ser lidas mês a mês através dos seguintes Links: Mês de Janeiro –Mês de Fevereiro – Mês de Março – Mês de Abril – Mês de Maio – Mês de Junho – Mês de Julho – Mês de Agosto – Mês de Setembro – Mês de Outubro – Mês de Novembro – Mês de Dezembro

 

1° de Julho

Porque serão cumpridas as palavras… do Senhor. (Lc 1.45.) ..minhas palavras, as quais a seu tempo se cumprirão. (Lc 1.20.)

Elias subiu ao monte E disse ao servo: — Vá ver Da banda do mar, que certo virão nuvens. Vai chover. Volta o servo: — Não há nada. — Sete vezes torne lá. Pois ele orava ao Deus vivo, Que, quando promete, dá. Lá ia o moço, e voltava. Nenhum sinal pelos céus. Mas Elias, rosto em terra, Olhava só para Deus. Sétima vez. Vem o moço: — Vejo uma nuvem assim: Tamanho da mão de um homem. — Isso basta para mim. Caiu a chuva, copiosa! Veio rápida, veloz… …E Elias era sujeito Às mesmas paixões que nós! (1 Rs 18.1.) Um servo de Deus, Matthew Henry, disse: “Precisamos contar com o cumprimento da promessa, mesmo que todos os caminhos que conduzem a ela nos pareçam fechados. Pois ‘quantas são as promessas de Deus, tantas têm nele (Jesus) o sim; porquanto também por ele é o amém para a glória de Deus, por nosso intermédio’ (2 Co 1.20).”

2 de Julho

Andando por elas, não se embaraçarão os teus passos, (Pv 4.12.)

O Senhor coloca a ponte da fé bem debaixo dos pés do caminhante. Se Ele a colocasse um metro adiante, não seria uma ponte de fé. O que está à nossa vista não é alcançado pela fé. Existem, em algumas estradas do interior dos Estados Unidos, porteiras que se abrem por si. Ali está a porteira, firme e fechada diante do viandante que se aproxima. Se ele parar a certa distância, ela não se abrirá; mas se chegar com o carro até junto dela, as rodas do veículo pressionarão as molas que se acham sob a terra, e a porteira se abrirá totalmente para lhe dar passagem. Ele só precisa aproximar-se bem da porteira, e ela se abrirá; do contrário continuará fechada. Isto ilustra a maneira de transpormos as barreiras que se nos deparam no caminho do serviço. Quer seja um rio, uma porteira ou uma montanha, tudo o que o filho de Deus tem a fazer é avançar em sua direção. Se for um rio, secará, quando pusermos o pé nas suas águas. Se for uma porteira, ela se abrirá, quando chegarmos à distância própria e continuarmos em frente. Se for montanha, ela se transportará e se lançará ao mar, quando sem hesitação pisarmos no lugar onde pensávamos que ela se erguia. Será que, neste momento, existe alguma barreira na sua estrada de serviço? Simplesmente caminhe em direção a ela em nome do Senhor, e ela não estará mais ali. — H. C. Trumbull Ficar lamentando a situação é perda de tempo. O Senhor nos diz para avançarmos. Avancemos, então, ousadamente — mesmo que seja pela noite, quando mal vemos o caminho. Ele se abrirá, enquanto avançamos, como uma trilha da floresta ou um desfiladeiro dos Alpes, de que não vemos mais que alguns metros à nossa frente. Prossigamos! Se se fizer necessário, encontraremos a coluna de

nuvem e de fogo para nos indicar o caminho através do deserto. Há guias e estalagens ao longo da estrada. Encontraremos roupa, alimento e amigos em cada fase da viagem. E como disse alguém de maneira tão original e própria: “Não me importo se as coisas não vão muito bem, pois estou indo para o lar celestial. O que pode acontecer é eu chegar lá cansado, mas a alegria da acolhida valerá por tudo.”

3 de Julho

Porventura lavra todo dia o lavrador, para semear? (Is 28.24.)

Certo dia, no começo do verão, eu ia passando por uma linda campina. A relva aveludada parecia um imenso tapete oriental. Em um canto, erguia-se uma bela árvore, já velha, abrigo de inúmeros pássaros que enchiam de gorgeios o ar leve e revigorante. A sombra da ramagem, duas vacas repousavam, imagem de sossego e contentamento.

Ao longo da estrada misturavam-se o roxo e o dourado das violetas silvestres e dentes-de-leão. Parei, e fiquei ali por longo tempo, encostado à cerca, deixando que meus olhos famintos se banqueteassem. Pensei comigo mesmo que Deus jamais havia feito um lugar tão aprazível.

No dia seguinte passei por lá outra vez.Ah! a mão demolidora já havia estado ali. Lá estava um arado, cravado ainda no sulco. Em um dia um homem fizera no local uma terrível devastação. Em vez da relva verde, estava à mostra a terra escura, feia e nua; em vez de pássaros cantando, algumas galinhas ciscavam. E nem violetas, nem dentes-de-leão. E com pesar, pensei: “Como poderia alguém estragar uma coisa tão linda?!”

Então meus olhos foram abertos como por mão invisível e tive uma visão: vi um milharal, com as espigas maduras, prontas para a colheita. Via os longos pés de milho, todos carregados, iluminados pelo sol do outono. Quase me parecia ouvir a música do vento ao passar, agitando os cabelos das espigas. E de repente, a terra escura revestiu-se, para mim, de um esplendor que não possuía na véspera. Possamos nós sempre ter a visão da abundante colheita que se segue, quando o Grande Agricultor vem — como faz tantas vezes — e sulca as nossas almas, deixando diante de nosso olhar torturado só o vazio sem beleza. — Selecionado

Por que me retrair ante o arado do meu Senhor, que faz sulcos profundos em minha alma? Eu sei que Ele não é um agricultor inconseqüente. Ele tem em vista uma boa colheita. — Samuel Rutherford

4 de Julho

A visão ainda está para cumprir-se no tempo determinado… se tardar, espera-o, porque certamente virá, não tardará. (Hc 2.3.)

Num livrinho muito interessante, um personagem é levado à casa do tesouro de Deus. Ali, entre as muitas maravilhas que lhe foram reveladas, estava o Departamento das Bênçãos em Reserva, onde Deus guardava certas coisas, que lhe haviam sido pedidas em oração e que aguardavam seu tempo próprio. Algumas pessoas levam algum tempo para aprender que demora não significa negação. Há muitos segredos de amor e sabedoria encerrados no Departamento das Bênçãos em Reserva! Os homens prefeririam colher os frutos da misericórdia quando ainda estão verdes, ao passo que Deus quer que esperem até que amadureçam. “Por isso o Senhor ESPERA, para ter misericórdia de vós” (Is 30.18).

Ele está vigiando nossos momentos difíceis, e não permitirá uma só provação a mais do que a que podemos suportar; primeiro Ele deixará que se queimem as escórias, depois virá gloriosamente em nosso auxílio. Não O entristeça, duvidando do Seu amor. Não, erga a cabeça e comece a louvá-lO agora mesmo, pelo livramento que está a caminho. Você será largamente recompensado pela demora que testou sua fé.

5 de Julho

Eu a atrairei e a levarei para o deserto… e lhe darei, dali, as suas vinhas. (Os 2.14,15.)

Que lugar estranho para se acharem vinhas — o deserto! E será que as riquezas de que uma alma precisa podem ser encontradas no deserto, que é um lugar de solidão, e onde, se perdidos, dificilmente achamos a saída? Parece que sim! E não é só isto, mas o “vale de Acor” (que significa amargura) é chamado, no texto, de “Porta de Esperança”. E ali ela cantará como nos dias da sua mocidade! Sim, Deus conhece a nossa necessidade desta experiência no deserto. Ele sabe como e quando trazer para fora aquilo que está dentro de nós. A alma era idólatra, rebelde; esqueceu-se de Deus e disse, voluntariosamente: “Irei atrás de meus amantes.” Contudo, ela não os alcançou. E quando já estava desesperada e sozinha, Deus disse: “Eu a atrairei, e a levarei para o deserto, e lhe falarei ao coração.” Que Deus cheio de amor é o nosso! — Crumbs Nós nunca sabemos onde Deus esconde as Suas águas. Vemos uma rocha, e não podemos imaginar que ela abrigue uma fonte. Vemos um lugar pedregoso, e não sabemos que esconde um manancial. Deus me guia a lugares difíceis, e depois eu descubro que entrei na habitação das fontes eternas.

6 de Julho

 Não sabemos nós o que fazer; porém os nossos olhos estão postos em ti. (2 Cr 20.12.)

Perdeu-se uma vida em Israel porque mãos humanas tocaram a arca de Deus sem permissão. Elas a tocaram com a melhor intenção: para a suster, pois balançara, quando os animais puxavam o carro pelo caminho áspero; mas tocaram a obra de Deus presunçosamente, e caíram paralisadas e sem vida. Muito do nosso êxito na vida de fé está em tirarmos as mãos das coisas. Se entregamos um assunto inteiramente a Deus, devemos conservar as nossas mãos fora dele. Deus o guardará para nós muito melhor sozinho do que se nós tentássemos ajudá-lO. “Descansa no Senhor e espera nele, não te irrites por causa do homem que prospera em seu caminho, por causa do que leva a cabo os seus maus desígnios.” Pode parecer que as coisas vão indo mau, mas Ele sabe disso tão bem quanto nós. No momento certo, Ele Se levantará, se realmente estivermos confiados nEle, e deixarmos que Ele opere no Seu tempo e da Sua maneira. Em certas ocasiões não há nada mais apropriado que a inatividade, e nada mais prejudicial que um trabalho incessante, pois Deus já tomou sobre Si a responsabilidade de operar ali a Sua soberana vontade. — A. B. Simpson É um descanso colocar os emaranhados da vida nas mãos de Deus e deixá-los ali.

7 de Julho

Fez-me como uma flecha polida. (Is 49.2.)

Em Pescadero, na costa da Califórnia, há uma famosa praia de seixos. A linha de espuma branca, com seu rugido constante, vem e dá sobre as pedrinhas, chocalhando e ressoando! Elas são arrastadas impiedosamente pelas ondas e jogadas para um lado e outro, roladas, atiradas umas contra as outras, e de encontro aos recifes ásperos. E esse atrito dura dia e noite, sem cessar — nunca há uma pausa. E o resultado? Turistas de todo o mundo afluem para lá, a fim de catar estas pedras lindas e arredondadas. E elas são postas como enfeite sobre escrivaninhas e em beirais de lareiras, em salas de visitas. Mas vá um pouco mais adiante. Contorne aquele recife que é um anteparo contra a força do mar. Ali, naquela enseada quieta, abrigada das tempestades e sempre banhada pelo sol, você encontrará abundância de seixos que nunca foram procurados pelos visitantes. Por que são deixados ali sem que ninguém os procure? Pela simples razão de que escaparam à fúria e ao atrito das ondas, e a quietude e a calma os deixaram como eram: ásperos, angulosos e despidos de beleza. O polimento vem pela tribulação. Visto que Deus sabe qual a brecha que vamos ocupar, confiemos nEle para nos preparar para ela. Já que Ele sabe que trabalho iremos fazer, confiemos nEle para nos adestrar convenientemente. Quase todas as jóias de Deus são cristais de lágrimas.

8 de Julho

Sobem com asas como águias. (Is 40.31.)

Há uma lenda que conta como foi que os pássaros criaram asas. Diz que eles haviam sido criados sem asas. Depois, Deus fez as asas e as colocou diante deles, dizendo: “Venham, peguem esses pesos e os carreguem.” Os pássaros possuíam linda plumagem e doce canto; gorjeavam belamente, e suas penas cintilavam ao sol; mas não sabiam o que era cortar os ares. A princípio, hesitaram ante a ordem de apanharem aqueles pesos e os carregarem, mas logo obedeceram; pegaram as asas com o bico, e puseram-nas nos ombros, para melhor carregá-las. Durante algum tempo, o fardo pareceu-lhes muito pesado e difícil, mas, de repente, quando iam carregando os pesos, suas pontas dobradas sobre o coração, as asas grudaram-se-lhes nas costas, e logo descobriram que podiam utilizá-las, e foram levantados por elas nos ares — os pesos se tornaram em asas. Isto é uma parábola. Nós somos os pássaros sem asas, e nossos deveres e tarefas são os pequenos cotos de asa que Deus fez para nos erguer e levar em direção às alturas. Nós olhamos para os nossos fardos e cargas pesadas e nos retraímos; mas quando as tomamos e colocamos sobre o coração, elas se nos tornam em asas, e com elas nos elevamos e cortamos as alturas em direção a Deus. Todo e qualquer fardo que nos é dado por Deus, se o tomarmos de bom ânimo e o levarmos sobre o coração com amor, virá a tornar-se uma bênção para nós. A intenção de Deus é que nossas tarefas nos sejam como auxiliares; se nos recusarmos a abaixar os ombros para recebê-las, estaremos deixando passar uma oportunidade de nos desenvolvermos. — J. R. Miller Bendito seja qualquer peso,por mais esmagador que pareça, que Deus tenha bondosamente atado com Suas mãos aos nossos ombros. —E. W. Faber

9 de Julho

Escolhi-te na fornalha da aflição. (Is 48.10.)

Não é a Palavra como uma chuva suave, amenizando a fúria das chamas? Não é ela uma armadura de asbesto, contra a qual o fogo não tem poder? Que venha a aflição — Deus me escolheu. Pobreza, você pode bater à minha porta, pois Deus já está nesta casa, Ele me escolheu. Doença, você pode intrometer-se, pois eu tenho um bálsamo pronto — Deus me escolheu. Venha o que me vier neste vale de lágrimas, eu sei que Ele me escolheu. Não tema, ó crente; o Senhor Jesus está com você. Em todas as suas ardentes provações, a presença dEle é o seu conforto e segurança. Ele nunca abandonará a quem escolheu para Si mesmo. “Não temas, porque eu sou contigo” é a promessa segura que ele dá aos Seus escolhidos que estão “na fornalha da aflição”. — C. H. Spurgeon O fardo do sofrimento parece uma lápide pendurada ao nosso pescoço, quando na verdade é o peso necessário para conservar no fundo um mergulhador, que está em busca de pérolas. — Richter

10 de Julho

Chamei-o, e não me respondeu. (Ct 5.6.)

Sabemos que quando Deus dá a alguém uma grande fé, Ele a prova por meio de longas esperas. Muitas vezes, Ele tem deixado servos Seus a ouvirem o eco da própria voz, como se ela estivesse batendo num céu de bronze. Eles batem na porta de ouro, mas ela permanece imóvel, como se estivesse emperrada. Como Jeremias, eles oram: De nuvens te encobriste para que não passe a nossa oração. Assim, os verdadeiros santos têm continuado em longa e paciente espera, sem receber a resposta; não porque suas orações não sejam veementes ou não sejam aceitas, mas porque assim aprouve Àquele que é soberano e que concede sua graça conforme Lhe parece bem. Se Ele acha que convém exercitar a nossa paciência, Ele fará como quer. Nenhuma oração é perdida. O fôlego despendido em oração nunca foi despendido em vão. Não existe oração não respondida ou não ouvida por Deus, e algumas coisas que consideramos como recusas ou negações são simplesmente demoras. — H. Bonar Às vezes, Cristo demora a vir em nosso auxílio, a fim de provar a nossa fé e avivar as nossas orações. O barco pode estar coberto pelas ondas, e o Mestre, dormindo; mas Ele despertará antes que se afunde. Ele está dormindo no barco, mas nunca passa da hora; e com Ele não há “tarde demais”. — Alexander MacLaren

11 de Julho

Mas passados dias, a corrente secou, porque não chovia sobre a terra. (1 Rs 17.7.)

As semanas iam-se passando, e Elias com espírito alevantado e firme, ia observando aquela torrente diminuir; muitas vezes, por certo, foi tentado a vacilar por incredulidade, mas recusou-se a deixar que as circunstâncias se interpusessem entre ele e Deus. De fato, a incredulidade vê Deus através das circunstâncias, como nós às vezes vemos o sol despido de seus raios, através do ar esfumaçado; mas a fé põe Deus no meio, entre si e as circunstâncias, e olha para estas através dele. Então, a torrente diminuiu até se tornar em um fio prateado; e o fio, em pequenas poças de água acumulada junto às pedras maiores. Depois, as poças também diminuíram. Os pássaros sumiram; os animais selvagens do campo e da floresta não vinham mais beber ali: a torrente estava seca. Só então foi que, ao seu espírito paciente e firme, “veio a palavra do Senhor, dizendo: Dispõe-te, e vai a Sarepta”. Muitos de nós teríamos ficado preocupados e nos cansaríamos de fazer planos, já bem antes de o fato consumar-se. Teríamos parado de cantar, assim que diminuísse a música da torrente no seu leito; e dependurando a harpa no salgueiro, passaríamos a andar pensativos, de um lado para outro, sobre a relva seca. E provavelmente, muito antes de a torrente estar seca, já teríamos elaborado um plano de salvamento, pedido a bênção de Deus sobre ele, e partido para outro lugar. Às vezes, Deus tem que nos desembaraçar de certas situações; e Ele o faz, porque a Sua misericórdia dura para sempre; mas se tivéssemos esperado para ver o desenrolar dos Seus planos, não nos teríamos encontrado no meio de tão emaranhado labirinto; e não precisaríamos ter que voltar atrás com lágrimas de vergonha. Espere, espere pacientemente! — F. B. Meyer

12 de Julho

Ele sabe o meu caminho; se ele me provasse, sairia eu como ouro. (Jó 23.10.)

“A fé cresce no meio das tempestades” — apenas sete palavras, mas como são significativas para quem já enfrentou a tempestade!

Fé é aquela faculdade dada por Deus que, quando exercitada, faz-nos ver o invisível com a maior clareza, e pela qual, as coisas impossíveis se tornam possíveis. Ela lida com o sobrenatural. Mas ela cresce no meio das tempestades, isto é, onde há perturbações na atmosfera espiritual. As tempestades são causadas pelo conflito dos elementos; e as tormentas do mundo espiritual são conflitos com elementos hostis. É nesse ambiente que a fé encontra o seu solo mais fértil; em tal meio ela chega mais depressa ao seu pleno amadurecimento. As árvores mais fortes não são as encontradas ao abrigo das florestas, mas as de campo aberto, onde ventos de todos os lados as açoitam, e curvam, e torcem, até que por fim atingem toda sua estatura. Esta madeira é a mais procurada para o fabrico de carrocerias e de instrumentos pesados. Portanto, quando virmos um gigante espiritual, lembremo-nos de que a estrada que devemos palmilhar para ficar ombro a ombro com ele, não é aquela alameda florida e ensolarada; mas, sim, um trilho íngreme, estreito e rochoso, onde as rajadas do inferno quase nos derrubarão, onde pedras pontiagudas nos rasgam a carne, onde espinhos nos ferem a fronte, e onde répteis venenosos nos atacam de todos os lados. É uma vereda de dor e alegria, de sofrimento e bálsamo, de lágrimas e sorrisos, de provas e vitórias, de conflitos e triunfos, de dificuldades, perigos, afrontas, de perseguições e mal-entendidos, de tribulações e angústia — ao longo dos quais somos feitos mais do que vencedores por Aquele que nos amou. No meio das tempestades. Exatamente no meio, onde a fúria é maior. Podemos ser tentados a retrair-nos ante a provação de uma tempestade de sofrimento… mas avancemos! Deus está ali para encontrar-Se conosco no centro de todas as tribulações e para revelar-nos Seus segredos, que farão com que saiamos do meio delas com um rosto brilhante e uma fé invencível, que não será abalada nem por todos os demônios do inferno. — E. A. Kilboume

13 de Julho Deus

… chama à existência as cousas que não existem. (Rm 4.17.)

Qual o significado disso? Abraão ousou crer em Deus. Parecia impossível, em sua idade, que ele se tornasse pai — parecia ina-creditável. Contudo, Deus o chamou de “pai de muitas nações”, antes que houvesse sequer um sinal de um filho. Então, Abraão chamou-se de “pai” porque Deus o chamara assim. Isto é fé. Fé é crer em Deus, e reafirmar o que Ele disse. “A fé pisa num vazio aparente e encontra uma rocha embaixo.” Somente podemos afirmar que é nossa, uma coisa que Deus já declarou ser nossa, e Ele tornará realidade tudo em que cremos. Falamos de fé real: tudo o que há em nós deve ser colocado nesta confiança em Deus. — Crumbs Esteja disposto a viver crendo, e não pense nem deseje viver de outra forma. Esteja disposto a ver cessar qualquer orientação externa; a ver o eclipse de todas as estrelas do céu, deixando apenas escuridão e perigo — contentando-se com a chama interior que Deus deixa em sua alma, a lâmpada clara e brilhante que a fé acendeu! — Thomas C. Upham Chegou o momento de descermos do nosso poleiro de desconfi-ança, e sairmos do nosso ninho de segurança aparente e abrirmos as asas da fé; um momento como o das aves, quando têm que começar a voar. Pode parecer que vamos cair ao solo — o mesmo parece à avezinha. Ela também pode sentir que vai caindo — mas não cai: suas pequeninas asas a sustem; e, se falham, o pai ou a mãe a amparam com seu corpo. Da mesma forma Deus nos susterá. Apenas confiemos nele: seremos amparados e elevados nos ares. “Certo”, diz alguém; “mas então devo lançar-me ao vazio?” Ao que parece é isto que o pássaro tem a fazer. Mas nós sabemos que o ar está ali, e ele não é tão insubstancial como parece. E nós sabemos que as promessas de Deus estão aí, e elas não são insubstanciais. “Mas parece tão improvável que a minha alma, tão fraca, possa vir a ser guarnecida de tal força.” Deus não disse que será? “Parece improvável que minha natureza, sujeita a tentação e queda, possa ser vitoriosa na luta.” Ele não disse que será? “Que o meu coração temeroso possa encontrar paz.” Deus não disse que encontrará? Pois se Ele disse, você não pode dizer que Ele é mentiroso! Será que Ele diz uma coisa e depois não cumpre? Se você receber uma promessa — uma promessa definida — aceite-a cegamente e confie nela inteiramente. E nós já recebemos uma promessa assim. E mais — temos Aquele que fala a palavra com segurança: “Em verdade vos digo.” Confie nele. —J. B. Figgis, M. A.

14 de Julho

 Atai a vítima… com cordas, e levai-a até os ângulos do altar. (Sl 118.27.)

Este altar não parece convidativo? Não seria bom pedir para ser atado a ele, para que nunca se pudesse voltar atrás na atitude de consagração? Há ocasiões em que a vida é cheia de rosas, e então vamos à cruz; mas em outras ocasiões, quando o céu é cinzento, nós nos retraímos dela. Por isso, seria bom estarmos atados a ela. Vem atar-nos, bendito Espírito, e faze-nos cativos da cruz, e que nunca a deixemos. Ata-nos com o cordão vermelho da redenção, e com a corda dourada do amor, e com a corda prateada da esperança da Sua vinda, de modo que não nos afastemos dela nem desejemos outra sorte que a de humildes compartilhantes da dor e dos sofrimentos do Senhor! Os ângulos do altar o convidam. Você quer vir? Quer habitar sempre ali, num espírito de conformada humildade, e entregar-se totalmente ao Senhor? — Selecionado Conta-se que um certo homem queria entregar-se a Deus num acampamento. Todas as noites, na hora do apelo, ele se consagrava; mas pouco depois, antes mesmo de sair da reunião, o inimigo vinha a ele e o convencia de que ele não se sentia diferente, e que portanto não estava consagrado. Várias vezes ele foi vencido pelo adversário. Finalmente, uma noite, foi à reunião trazendo um machado e uma estaca. Depois de se ter apresentado em consagração a Deus, tomou a estaca e a fincou no chão, bem onde tinha estado ajoelhado. Quando se retirava da reunião, o inimigo o assaltou como de costume e procurou fazê-lo crer que nada acontecera. Imediatamente, voltando para o lugar onde tinha fincado a estaca, disse: “Olhe, Satanás, você está vendo essa estaca? Pois isto é o testemunho de que Deus me aceitou.” No mesmo instante o inimigo o deixou e ele não teve mais dúvidas naquele assunto. — The Still Small Voice. Amado irmão, se você está sendo tentado e tem dúvidas sobre

essa mesma questão, crave uma estaca em algum lugar e sirva ela de testemunho na presença de Deus e mesmo diante do inimigo, de que o assunto está resolvido de uma vez por todas.

15 de Julho

Esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé. (1 Jo 5.4.)

Quando a tempestade Com furor invade Teus caminhos, teu viver, No Senhor vai-te esconder! Ele está presente; NEle crê, somente. Diz-te fielmente: “Eu contigo estou.” Andas carregado? Lança o teu cuidado Sobre os ombros do Senhor; Quer levar teu peso e dor. Se o teu ser murmura, Sai da noite escura, Pois Deus te assegura: ‘Eu contigo estou”’

Vês que a vida passa? — Vai, recorre à graça. Se te vêm temores vãos, Deixa tudo em Suas mãos! Ele É a fortaleza Onde a alma em fraqueza Acha paz, certeza; E conosco está. Deus nos vivifica, Deus nos purifica; Temos dele, ao pé da cruz, Toda a graça de Jesus! Seu amor não cessa, Por nós Se interessa. Temos a promessa: ‘ Eu contigo estou.” H.E.A. Confiar, embora parecendo estar abandonado; continuar cla-mando, embora a voz pareça perder-se na imensidão, sem nenhum eco; ver a máquina do mundo rodando sem pausa, como movida por si mesma e sem se importar com ninguém nem mudar em nada sua marcha, ante rogos e clamores, e contudo crer que Deus está alerta e nos ama imensamente; não desejar nada, senão o que nos vem da Sua mão; esperar pacientemente, pronto a morrer de fome, vigiando para que não falhe a fé — tal é a vitória que vence o mundo; isso é realmente fé. —George MacDonald

16 de Julho

 Porquanto fizeste isso, e não me negaste o teu único filho, …multiplicarei a tua descendência como as estrelas dos céus… porquanto obedeceste à minha voz. (Gn 22.16-18.)

 E desde aquele dia até hoje os homens têm aprendido que, quando, em obediência à voz de Deus, eles Lhe entregam aquilo que lhes é mais caro, essa mesma coisa lhes é devolvida por Ele, multiplicada em mil vezes. Abraão, atendendo ao pedido de Deus, entrega-lhe seu único filho — e com isto, como que desaparecem todas as suas esperanças com respeito à vida e desenvolvimento do rapaz e à formação de uma descendência nobre, com seu nome. Mas o filho lhe é restituído; a família torna-se numerosa como as estrelas do céu e a areia do mar, e dela, na plenitude dos tempos, procede Jesus Cristo. Essa é a maneira como Deus recebe cada sacrifício de Seus filhos. Entregamos tudo e aceitamos pobreza; e Ele manda riqueza. Renunciamos a um rico campo de serviço; Ele nos manda um ainda mais rico, e com o qual jamais sonhamos. Deixamos todas as nossas mais caras esperanças e morremos para o eu; Ele nos manda vida abundante e alegria. E a coroa disso tudo é o Senhor Jesus Cristo. Pois não podemos conhecer a plenitude da vida que está em Cristo enquanto não tivermos feito o supremo sacrifício de Abraão. Ele, o pai terreno da família de Cristo, precisou começar perdendo a si mesmo e a seu próprio filho, como fez o Pai Celeste. Nós só podemos ser membros daquela família gozando de todos os privilégios e alegrias de membros dela, nas mesmas

bases: — C. G. Trumbull Às vezes parecemos esquecer que o que Deus toma Ele consome com fogo; e que o único caminho que leva à vida de ressurreição e ao monte da ascensão passa pelo Getsêmani, pela cruz e pelo túmulo. Não pensemos que Abraão foi um exemplo único e um caso isolado. Ele foi simplesmente uma ilustração, um modelo da maneira como Deus lida com o homem que se dispõe a obedecer-Lhe a qualquer preço. Depois de ter suportado tudo pacientemente, ele receberá a promessa. O momento de supremo sacrifício será de suprema bênção, de bênção transbordante. O rio de Deus, que está sempre cheio, transbordará e virá sobre ele com abundância de riqueza e graça. Deus tudo fará para o homem que dá o passo da fé, ainda que pareça um passo no vazio; pois ali, debaixo dos seus pés, ele encontrará a rocha firme. — F. B. Meyer

17 de Julho

 Estarei quieto, olhando desde a minha morada. (Is 18.4.)

A Assíria estava marchando contra a Etiópia, cujo povo é descrito como alto e de pele brunida. E enquanto os exércitos avançam, Deus não Se move para detê-los; parece que vai permitir que executem o seu plano. Ele os está contemplando de Sua morada. O sol ainda brilha sobre eles. Mas antes de colher os frutos deste trabalho, o orgulhoso exército da Assíria é batido, e com tanta facilidade como o são os ramos do arbusto, quando cortados pela podadeira do agricultor. Este quadro de Deus — quieto mas alerta — não é maravilhoso? Seu silêncio não quer dizer que Ele esteja concordando ou dando Seu consentimento ao que acontece. Não. Ele está apenas aguardando a Sua hora; e Se levantará no momento adequado quando os desígnios do maligno parecerem a ponto de obter sucesso, a fim de arruiná-los. Quando olharmos para o mal que há no mundo, e pensarmos no seu aparente sucesso; quando estremecermos debaixo da opressão dos que nos odeiam, lembremo-nos destas maravilhosas palavras que nos falam de um Deus quieto, mas vigilante. Ainda há outra mensagem nisto. Jesus viu Seus discípulos lutando com as ondas, numa noite tempestuosa. Ele contemplou, embora ausente, os sucessivos graus da angústia vivida em Betânia, quando Lázaro adoeceu e passou pelos vários estágios da enfermidade, e morreu, e foi para o túmulo. Mas Ele estava apenas esperando o momento em que poderia intervir da maneira mais eficaz. Será que Ele está quieto para você? Ele não está ignorando a situação; está contemplando tudo; está com o dedo no seu pulso, atento a todas as suas flutuações. Chegado o momento preciso, Ele virá salvá-lo. — Daily Devotional Commentary Embora Ele possa demorar e Se alongar, podemos estar inteira-mente certos de que o nosso Salvador não fica confuso, nem desanima.

18 de Julho

Quanto ao Senhor, seus olhos passam por toda a terra, para mostrar-se forte para com aqueles cujo coração É totalmente dele. (2 Cr 16.9.)

Deus está procurando um homem cujo coração esteja sempre voltado para Ele e que confie nEle, para fazer seja o que for que o Senhor deseje. Ele está ansioso para operar maravilhas ainda maiores, através de nós. O relógio do tempo está indicando que chegamos à 11a hora. “O mundo ainda está esperando para ver o que Deus pode fazer através de uma alma consagrada/’ E não somente o mundo, mas Deus mesmo está esperando alguém que seja mais devotado a Ele do que qualquer outra pessoa que já viveu; que esteja pronto a não ser nada, para que Cristo seja tudo; que compreenda os propósitos de Deus; e que, tendo a humildade de Cristo e a Sua fé, Seu amor e Seu poder, permita que Deus continue a operar poderosamente. — C. H. P. Não há limites ao que Deus pode fazer através de um homem, desde que este não toque a glória do Senhor. Numa palavra dirigida a pastores e obreiros após seu 90° aniversário, George Müller falou o seguinte sobre sua vida: “Converti-me em novembro de 1825, mas só cheguei a uma plena entrega do coração, quatro anos mais tarde, em julho de 1829. O amor ao dinheiro desapareceu; perdi o amor a lugares, a posições, aos prazeres e compromissos com o mundo. Deus, e somente Deus, tornou-se a minha porção. NEle encontrei tudo; não precisei de nada mais. E, pela graça de Deus, isto permaneceu e me tornou muito feliz, extremamente feliz, e me levou a me ocupar unicamente das coisas de Deus. Eu lhes pergunto com muito amor, meus queridos irmãos: vocês já entregaram plenamente seu coração a Deus, ou ainda há alguma coisa com que estão ocupados, sem consideração para com Deus? Antes eu lia um pouco das Escrituras, mas preferia outros livros. Depois daquela ocasião a revelação que Ele me fez de Si mesmo tornou-se inefavelmente maravilhosa para mim, e posso dizer de coração que Deus é um Ser infinitamente desejável. Não fiquem satisfeitos enquanto não puderem dizer, do íntimo de sua alma, que Deus

é um Ser infinitamente desejável!” — Selecionado Eu peço a Deus que faça de mim hoje um crente fora do comum. — Whitefield

19 de Julho

Não beberei, porventura, o cálice que o Pai me deu? (Jo 18.11.)

Isto era uma coisa mais difícil de se dizer ou fazer do que acalmar as ondas do mar ou ressuscitar mortos. Os profetas e apóstolos puderam operar milagres extraordinários, mas nem sempre podiam fazer a vontade de Deus e sujeitar-se a ela. Fazer a vontade de Deus e sujeitar-se a ela ainda é a mais elevada forma de fé, a mais sublime conquista cristã. Ver destruídas para sempre, as brilhantes aspirações de uma vida jovem; suportar um fardo diário sempre contrário ao temperamento, sem probabilidade de alívio; ser oprimido pela pobreza, quando se deseja apenas o bastante para o bem-estar e conforto dos entes queridos; ser agrilhoado por uma incapacidade física incurável; sofrer a perda de todos os entes queridos, até ficar só para enfrentar os choques da vida; e, numa tal escola de disciplina, ser capaz de dizer: “Não beberei, porventura, o cálice que o Pai me deu?” — isto é fé e estatura espiritual, em seu mais elevado ponto. Uma grande fé se mostra não tanto pela capacidade de fazer, mas de sofrer. — Dr. Charles Parkhurst Para que tivéssemos um Deus que Se compadece, foi preciso um Salvador que sofresse. E só há verdadeiro sentimento de compaixão para com alguém que sofre, em um coração que também foi ferido. Não podemos fazer bem aos outros sem que isto nos custe

alguma coisa, e nossas aflições são o preço que pagamos pela capacidade de termos compaixão. Quem quiser ajudar precisa sofrer primeiro. Quem quiser salvar precisa primeiro ter experimentado a cruz de alguma forma. E não podemos ter a alta felicidade de socorrer os outros, sem termos provado o cálice que Jesus bebeu e ter-nos submetido ao batismo com que Ele foi batizado. Os mais consoladores salmos de Davi foram escritos debaixo da pressão do sofrimento; e se Paulo não tivesse experimentado um espinho na carne, teríamos sido privados de muito daquela compaixão que perpassa muitas de suas cartas. As circunstâncias atuais que nos oprimem (se estivermos entre-gues a Cristo) são o instrumento mais adequado na mão do Pai para cinzelar-nos, preparando-nos para a eternidade. Confiemos nEle, pois. Não empurremos o instrumento, senão nos privaremos de sua obra. Pela escola do sofrimento graduam-se poucos doutores.

20 de Julho

Tendo, pois, a Jesus, o Filho de Deus como grande sumo sacerdote… conservemos firmes a nossa confissão. Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna. (Hb 4.14,16.)

Nosso grande auxílio em oração é o Senhor Jesus Cristo. Ele é o nosso Advogado junto ao Pai, o nosso Grande Sumo Sacerdote, cujo principal ministério para conosco nestes séculos tem sido intercessão e oração. É Ele que toma de nossas mãos as petições imperfeitas, acerta suas falhas, corrige seus defeitos, e depois pede ao Pai a resposta delas,

por causa de Sua justiça e Seus méritos adquiridos na expiação. Meu irmão, está desanimado em oração? Olhe para cima. O seu bendito Advogado já pediu a resposta, e ficaria entristecido e decepcionado se você desistisse do conflito exatamente no momento em que a vitória está a caminho. Ele já entrou nas recâmaras, em seu favor, e mostrou seu nome nas palmas de suas mãos; o mensageiro que vai trazer a sua bênção já está a caminho, e o Espírito só espera a sua fé, para segredar ao seu coração o eco da resposta vinda do trono: “Esta feito.” —A. B. Simpson A oração aceitável tem muito a ver com o Espírito Santo. (E Ele é muito negligenciado na oração!) Ele ilumina a mente para que veja as suas necessidades, abranda o coração para senti-las, desperta os desejos em direção aos suprimentos que convém, dá-nos uma visão clara do poder, da sabedoria e da graça de Deus para nos socorrer, e reaviva a nossa confiança na verdade divina, uma confiança que afasta toda vacilação. A oração é, portanto, uma coisa maravilhosa. Toda a Trindade está envolvida em toda oração. — J. Angell James

21 de Julho

Rogo-te que mais esta vez faça eu a prova com a lã. (Jz 6.39.)

Nossa fé se desenvolve por estágios. Numa fase da experiência cristã, só conseguimos crer se tivermos algum sinal ou uma grande manifestação de sentimentos. Como Gideão, apalpamos o nosso velo de lã e, se ele estiver molhado, nós nos dispomos a crer em Deus. Esta fé pode ser verdadeira, mas é imperfeita. Ele sempre procura algum sentimento, algum sinal, além da Palavra de Deus. Quando confiamos em Deus sem nada sentir, denotamos um bom avanço na fé. É uma coisa bendita crer sem ter nenhuma emoção. Há um terceiro estágio da fé, que transcende a esse de Gideão e seu velo. O primeiro crê quando há emoções favoráveis; o segundo, quando não há emoções; mas a terceira forma de fé crê em Deus e na Sua Palavra, quando as circunstâncias, os sentimentos, as aparências, as pessoas e a razão indicam o contrário. Paulo exercitou este tipo de fé em Atos 27.20, 25: “Não aparecendo, havia já alguns dias, nem sol nem estrelas, caindo sobre nós grande tempestade, dissipou-se afinal toda a esperança de salvamento.” Não obstante tudo isso, Paulo disse: “Senhores, tende bom ânimo; pois eu confio em Deus, que sucederá do modo por que me foi dito.” Que Deus nos dê fé para confiarmos plenamente na Sua Palavra, embora tudo mais dê testemunho em contrário. — C. H. P.

22 de Julho Por isso o Senhor espera, para ter misericórdia de vós… bem-aventurados todos os que nele esperam. (Is 30.18.)

Devemos considerar não só nossa espera em Deus, mas também, o que é mais maravilhoso, a espera de Deus por nós. A idéia de Deus esperando por nós dará novo impulso e inspiração à nossa espera nEle. Ela nos dará aquela certeza de que nossa espera não pode ser em vão. Vamos procurar neste momento, com um espírito de espera em Deus, descobrir o que isto significa. Ele tem propósitos gloriosos e inimagináveis para cada um de Seus filhos. Mas alguém pergunta: “Se Ele espera para ter misericórdia, como é que mesmo depois que eu venho e espero nEle, Ele não me dá o que peço, mas espera ainda mais e mais?”

Deus é um sábio agricultor, que “espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência”. Ele só pode colher o fruto quando estiver maduro. Ele sabe quando é que estamos espiritualmente prontos para receber a bênção, de maneira que redunde em nosso proveito e em Sua glória. Essa espera, sob o sol do Seu amor, é que faz a alma amadurecer para receber a bênção. É necessário esperar também sob a nuvem da provação, que depois se rasga em chuvas de bênçãos. Esteja certo de que, se Deus espera mais tempo do que você desejaria, é somente para tornar a bênção duplamente preciosa. Deus esperou quatro mil anos, até a plenitude dos tempos, para enviar Seu Filho. Nossos dias estão nas Suas mãos; Ele depressa fará justiça aos Seus eleitos; apressar-Se-á em nosso auxílio e não Se demorará nem uma hora a mais que o necessário. — Andrew Murray

23 de Julho Dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai. (Ef 5.20.)

Qualquer que seja o tipo de mal que nos sobrevenha, se estivermos em Deus e cercados por Ele como por uma atmosfera, o mal tem que passar por Ele antes de chegar a nós. Portanto, podemos agradecer a Deus por tudo o que nos acontece, não pelo pecado que haja no fato, mas pelo que Deus trará através dele. Possa Deus fazer de nossas vidas uma ação de graças contínua e um perpétuo louvor, então Ele fará de tudo uma bênção. Certa vez vimos um homem desenhando uma porção de pontos pretos. Ficamos olhando para eles e não conseguíamos ver nada, senão um agrupamento irregular de simples pontos pretos. Mas depois ele traçou umas linhas verticais sobre os pontos, desenhou pausas, e, por fim, fez uma clave no início. Então percebemos que aqueles pontos pretos eram notas musicais. Tocando-as, descobrimos que era o hino: A Deus, supremo benfeitor, Anjos e homens dêem louvor. Há pontos pretos em nossa vida, e não somos capazes de entender por que Deus permitiu tais coisas. Mas se deixarmos que Deus entre em nós e ajuste os pontos da maneira certa, trace as linhas que Ele quer, separe isto daquilo e coloque as pausas nos lugares próprios, Ele fará dos pontos pretos de nossa vida uma gloriosa harmonia. Não O impeçamos nessa gloriosa obra! — C. H. P. Muitas pessoas devem a grandeza de suas vidas às suas tremendas dificuldades. — C. H. Spurgeon Quando o músico toca as teclas pretas do grande órgão, a música é tão doce como quando toca as brancas, mas para usar toda a capacidade do instrumento, ele precisa tocá-las todas. — Selecionado

24 de Julho

Então creram nas suas palavras, e lhe cantaram louvor. Cedo, porém, se esqueceram das suas obras, e não lhe aguardaram os desígnios; entregaram-se à cobiça no deserto, e tentaram a Deus na solidão. Concedeu-lhes o que pediram, mas fez definhar-lhes a alma. (Sl 106.12-15.)

Lemos a respeito de Moisés que ele “permaneceu firme como quem vê aquele que é invisível”. Exatamente o oposto, aconteceu com os filhos de Israel no texto acima. Eles só ficaram firmes enquanto as circunstâncias eram favoráveis. Eram governados, em grande medida,

pelas coisas que apelavam aos sentidos, em vez de descansar no Deus invisível e eterno. Hoje em dia, há os que têm uma vida cristã intermitente, isto porque estão ocupados com o que é exterior e centralizam-se nas circunstâncias, em vez de em Deus. Deus quer que nós O vejamos em todas as coisas, e que não consideremos insignificante nada que nos traga uma mensagem Sua. Aqui lemos que os filhos de Israel “então creram nas suas palavras”. Eles não creram enquanto não viram alguma coisa — depois que O viram operar, então creram. Realmente duvidaram de Deus quando chegaram ao mar Vermelho; mas quando Deus abriu o caminho e os fez passar, e viram a Faraó e seu exército perecerem afogados, “então creram”. Eles levaram uma vida de altos e baixos por causa desse tipo de fé; era uma fé que dependia das circunstâncias. Este não é o tipo de fé que Deus quer que tenhamos. O mundo diz: “Ver para crer”, mas Deus quer que creiamos para ver. O salmista disse: “Oh! se eu não houvera crido que veria a bondade de Jeová na terra dos viventes!” Você crê em Deus só quando as circunstâncias são favoráveis, ou crê a despeito das circunstâncias? — C. H. P. Fé é crer no que não vemos, e a recompensa desta fé é vermos aquilo em que cremos. — Sto. Agostinho

25 de Julho

 O que eu faço não o sabes agora, compreendê-lo-ás depois. (Jo 13.7.)

Nesta vida, temos apenas uma visão parcial das operações de Deus; vemos Seu plano de modo incompleto e sua execução ainda incompleta; mas tudo aparecerá em sua forma plena e bela, no grande e completo Templo da eternidade! Andemos até as colinas do Líbano durante o reinado do maior rei de Israel. Vejamos os nobres cedros, orgulho da vegetação… fadados a sucumbir ao golpe do machado! Ao vermos … a “Árvore de Deus”, como era chamada, cair com estrondo ao solo, soltamos uma exclamação de repulsa contra a brutal destruição e demolição daquele soberbo pilar da natureza. Mas espere um momento. Sigamos o gigantesco tronco, que é rolado pelo flanco do monte, pelos trabalhadores de Hirão, e depois conduzido em jangadas pelas águas do Mediterrâneo. Por fim, contemplemo-lo a reluzir, polido e ornado no templo de Deus. Ao vê-lo em seu estágio final — colocado no Santo dos Santos, o diadema do Grande Rei — será que você lamentará que a ”glória do Líbano” tenha sido despojada, para que este cedro pudesse figurar em tão nobre engaste? Aquele cedro era qual majestoso ornamento no santuário da Natureza, mas a glória da última casa foi maior que a da primeira! Quantas almas não são como esses cedros! Os machados de Deus — machados de provação — as têm despojado e desnudado. Não vemos razão para tratamento tão obscuro e misterioso, mas Deus tem em vista um objetivo nobre: colocá-las como colunas eternas na Sião celestial; fazer delas uma “coroa de glória na mão do Senhor e um diadema real” na mão do nosso Deus. — Macduff

26 de Julho

Nós, pelo Espírito, aguardamos a esperança da justiça que provém da fé. (Gl 5.5.)

Há momentos em que tudo nos parece muito escuro — tão escuro que temos de esperar até mesmo a esperança. Esperar já não é agradável, mesmo tendo esperança. A demora em se realizar uma esperança nos faz sofrer; mas esperar a própria esperança, não ver nenhum lampejo no horizonte, e contudo recusar o desespero; nada ver ante a janela senão noite, e contudo conservá-la aberta para um impossível aparecimento de estrelas; ter um lugar vazio no coração e contudo não consentir que o ocupe uma presença inferior — nisto consiste a maior paciência do universo. É Jó na tempestade. É Abraão no caminho de Moriá. É Moisés no deserto de Midiã. É o Filho do homem no jardim do Getsêmani. Não há paciência mais difícil que a do que fica firme, “como quem vê aquele que é invisível”: é a espera pela esperança. Tu, Senhor, fizeste bela a espera; Tu fizeste divina a paciência. Tu nos ensinaste que a vontade do Pai pode ser recebida, simplesmente porque é a Tua vontade. Tu nos revelaste que uma alma pode ver no cálice apenas tristezas, e contudo tomá-lo, sabendo que o olho do Pai vê melhor do que o seu. Dá-me esse Teu poder divino, o poder do Getsêmani. Dá-me o poder de esperar pela própria esperança, de ficar olhando pela janela, embora não haja estrelas. Mesmo que se afaste a própria alegria que me foi dada, concede-me o poder de ficar invicto no meio da noite e dizer: “Aos olhos de meu Pai ainda deve haver razão para alegria.” Alcançarei o clímax da força, quando tiver aprendido a esperar a esperança. — George Matheson Esforce-se para ser um daqueles — bem poucos! — que andam na terra com a consciência vivida de que o desconhecido que os homens

chamam de Céu está “ali mesmo atrás da cena visível das coisas”.

27 de Julho

Provai-me nisto. (Ml 3.10.)

Creio que Deus está dizendo aqui o seguinte: meu filho, ainda existem janelas no céu, e elas ainda estão em uso. Seus ferrolhos ainda correm bem como no passado. As dobradiças não se enferrujaram. Eu prefiro muito mais escancará-las e derramar minha graça, do que mantê-las fechadas e reter a bênção. Eu as abri para Moisés, e o mar se fendeu. Abri-as para Josué, e o Jordão foi contido. Abri-as para Gideão e os inimigos fugiram. Eu as abrirei para você — se me permitir que o faça. Do nosso lado, o céu continua sendo o mesmo depositório rico que era no passado. As fontes e nascentes ainda jorram transbordantes. As salas do tesouro ainda estão regurgitando de dádivas. A falha, portanto, não está do meu lado. Está do seu. Eu estou esperando. Prove-me nisto. Preencha as condições que lhe cabem. Traga os dízimos. Dê-me uma oportunidade de abençoá-lo. — Selecionado. Nunca me esquecerei de uma breve paráfrase que minha mãe fazia de Malaquias 3.10. O verso começa: Trazei todos os dízimos; e termina: Eu derramarei tanta bênção que haverá problema de espaço para conter. A paráfrase, então, era: “DÉ a Deus tudo o que Ele pede, e receba dEle tudo o que Ele promete.” — S. D. Gordon A capacidade dos depósitos de Deus é bem maior que o montante das nossas orações, até mesmo das nossas orações mais ousadas! Tenho pensado em algumas das petições que apresento em minhas súplicas. O que tenho pedido? Tenho pedido uma caneca apenas; e sobra o oceano inteiro! Tenho pedido apenas um raio de sol, e o sol lá

está! A minha petição mais completa fica muitíssimo aquém da capacidade de dar de meu Pai: ela é bem mais ampla do que o que somos capazes de pedir. — J. H. Jowett

28 de Julho

O Senhor tem o seu caminho na tormenta e na tempestade. (Na 1.3.)

 Quando rapazinho, eu estudava em um instituto nas vizinhanças do Mt. Pleasant. Certa vez, sentei-me numa elevação da montanha, observando uma tempestade que vinha subindo o vale. O céu estava carregado, e a terra estremecia com a força dos trovões. Parecia que a paisagem, antes tão linda, tinha-se mudado dali e a sua beleza havia desaparecido para sempre. Mas a tempestade seguiu seu curso e deixou o vale. Se eu tivesse voltado àquele mesmo lugar no dia seguinte, e tivesse perguntado: “Onde está aquela horrível tempestade com todo o seu negrume?”, a relva teria respondido: “Parte dela está em mim”; e a flor do campo: “Parte dela está em mim”, e os frutos e tudo o que cresce do solo teriam dito: “Parte da tempestade está ardente em nós.” Você pediu para ser semelhante ao seu Senhor? Você tem desejado o fruto do Espírito em sua vida, e tem orado pedindo brandura, bondade e amor? Então não tema o tormentoso temporal que está varrendo a sua vida neste momento. Há uma bênção nessa tempestade; e haverá rica frutificação no “após”. — Henry Ward Beecher

29 de Julho

Acaso … viste os tesouros da saraiva, que eu retenho até ao tempo da angústia? (Jó 38.22,23.)

Nossas tribulações são grandes oportunidades. Muitas vezes nós as vemos como sendo obstáculos. Mas se cada um de nós passasse a reconhecer as situações difíceis como maneiras escolhidas por Deus para nos provar o Seu amor, e passássemos a procurar ao nosso redor os sinais das Suas manifestações gloriosas, isto nos seria um porto de descanso e uma fonte de poderosa inspiração. Então, cada nuvem se transformaria num arco-íris, e cada montanha numa ascensão gloriosa, e num palco de transfiguração. Olhando para o passado, muitos de nós descobriremos que as ocasiões em que fomos pressionados ao máximo, e cercados por todos os lados, foram ocasiões em que o Pai celestial nos deu as bênçãos mais graciosas e mais ricas. Muitas vezes as jóias de Deus nos são enviadas em pacotes grosseiros, e entregues por servos de roupagem escura, mas dentro encontramos os próprios tesouros do palácio Real e do amor do Esposo. — A. B. Simpson Confie nEle, mesmo em meio à escuridão; honre-O com uma confiança sem vacilações, mesmo no meio de tratamentos misteriosos por parte dEle, e a recompensa dessa fé será como a muda das águias, que, segundo dizem, lhes dá um novo período de juventude e vigor. —J. R. Macduff Ó Senhor, que bom Confiar em Ti. Ver a Tua mão

Pelo meu caminho. Ver que me transformas Tudo em bem, aqui. Tu comigo estás: Eu não vou sozinho!

30 de Julho

Ainda que seja um copo de água fria. (Mt 10.42.)

O que é para eu fazer? Passamos por este mundo uma só vez. Qualquer boa obra, qualquer ato de bondade ou qualquer serviço que eu possa prestar a uma alma humana ou a algum animal, tenho que fazê-lo agora. Que eu não o negligencie, nem adie, pois não passarei por aqui outra vez. — Velho Provérbio dos Quakers Tinha apenas uns pães e alguns peixinhos, Mas os deu a Jesus, Que os abençoou e alimentou milhares! Faça o mesmo, e então Há de ver que o que É posto em Sua mão Muita bênção produz. Pois de um copo que seja, de água fria, Dado em nome de Deus, Muitas bênçãos virão, muita alegria; E a quem deu, galardão! DÉ aos outros o que tem; para eles poderá representar muito mais

do que você pensa. — Longfellow

31 de Julho

E os dirigiu com mãos precavidas. (Sl 78.72.)

Quando você estiver em dúvida sobre que direção tomar, submeta o seu poder de julgar inteiramente ao Espírito de Deus e peça-Lhe para fechar todas as portas, menos a certa. …Enquanto isso continue a agir como sempre, e considere a ausência de orientação, como sendo uma indicação de Deus de que você está no trilho certo. … Quando estiver descendo o longo corredor da vida, você descobrirá que o Senhor já o precedeu, e fechou muitas portas, por onde você certamente teria entrado; mas esteja seguro de que mais além dessas existe uma que Ele deixou aberta. Entre por ela, e se encontrará face a face com uma curva do rio da oportunidade, que é mais largo e profundo do que você teria imaginado em seus melhores sonhos. Lance-se nele: ele conduz para o oceano. Deus nos guia muitas vezes pelas circunstâncias. Em certo momento, o caminho pode parecer totalmente bloqueado; e então, logo a seguir, acontece uma coisa simples, que pode não parecer nada aos outros, mas que para os olhos da fé significa um mundo. Às vezes, essas coisas se repetem de várias maneiras, em resposta à oração. Não são meros resultados do acaso, e sim a abertura de circunstâncias na direção do nosso alvo, exatamente como acontece com as luzes quando nos aproximamos de uma cidade populosa num expresso noturno. —F. B. Meyer Se buscarmos a orientação do Senhor, Ele nos guiará; mas não alimentará nossa desconfiança ou meia confiança nele, mostrando a nós

o mapa de todos os propósitos que tem a nosso respeito. Mostrará apenas um caminho, o qual Ele irá abrindo aos nossos olhos mais e mais, se seguirmos animados e confiantes.

Você foi abençoado com o que recebeu nesta página? Então agradeça a Deus e compartilhe com outras pessoas, para que elas sejam abençoadas também!

Se puder, abençoe nosso ministério, o qual não é financiado ou patrocinado por nenhuma igreja, por isso, dependemos da Generosidade de corações como o teu.

Agora você pode ajudar o Ministério ” Joanilson Rodrigues e Marília Rodrigues ” com Depósito  PAGSEGURO do UOL, que é  uma empresa confiável para pagamentos Nacionais e Internacionais.

Você pode escolher a melhor forma de fazer a sua doação (de qualquer valor) de qualquer lugar do mundo:  Cartão de Crédito – Cartão de Débito – Boleto Bancário. Basta clicar na imagem abaixo e seguir as instruções.

Caso não queira doar pelo PAGSEGURO, por favor,  visite a seção Doações.

LEMBRETE

Lembramos que não ficamos de posse de nenhum de seus dados, pois toda doação é feita diretamente ao PAGSEGURO e a quantia que você nos doar, só nos será repassada por eles após 14 dias de sua efetuação, quando expira o prazo para cancelamento de doação.

Você não conhece o PAGSEGURO? É uma empresa da UOL  e é totalmente confiável na qual você poderá fazer a sua doação sem receio algum, pelo método que melhor lhe convier, mas se desejar mais informações prévias sobre o seu funcionamento e idoneidade antes de efetuar a sua doação, por favor acesse as seguintes páginas:

1- PAGSEGURO em português:    https://pagseguro.uol.com.br/sobre_o_pagseguro.jhtml

2- PAGSEGURO in English:

https://pagseguro.uol.com.br/en/how-it-works.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s